Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elit.

This is some text inside of a div block.

Lorem ipsum dolor sit amet, consetetur sadipscing elit.

This is some text inside of a div block.

Emergency Case

If you need a doctor urgently outside of medicenter opening hours.
Button Text

Nos últimos 50 anos, a mamografia tem contribuído para salvar vidas. Dados mais recentes em países desenvolvidos com programa de rastreamento populacional organizado, atribuem à mamografia isoladamente uma redução da mortalidade pelo câncer de mama em 30%. Além disso, também tem um papel importante na redução do número de cirurgias mutiladoras e tratamentos agressivos, melhorando a qualidade de vida das pacientes.

A incidência do câncer de mama continua aumentando progressivamente no Brasil, com uma estimativa de 55.000 novos casos a cada ano. Um fato importante que tem sido observado é um aumento na incidência nas mulheres abaixo de 49 anos.

Além disso, infelizmente a mortalidade do câncer de mama no Brasil também continua aumentando, ao contrário da tendência observada nos países desenvolvidos. Este triste dado em relação ao Brasil é atribuído (i) a um programa de rastreamento desigual e com abrangência muito além do esperado, (ii) às diferentes políticas de rastreamento, e finalmente, e não menos importante, (iii) à dificuldade de acesso ao tratamento adequado. Estes fatores são muito bem demonstrados em trabalho publicado recentemente por pesquisadores brasileiros, que observaram uma tendência de queda na mortalidade nas regiões Sul e Sudeste, que casualmente correspondem às regiões com o maior número de mamógrafos disponíveis, e com acesso mais fácil e rápido ao tratamento.

O rastreamento mamográfico está indicado para todas as mulheres assintomáticas acima de 40 anos, conforme consenso publicado em 2012 pela Comissão Nacional de Qualidade em Mamografia do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR), em conjunto com a Federação Brasileira de Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM). Entretanto, esse assunto ainda é objeto de controvérsia, uma vez que o Ministério da Saúde preconiza mamografia em regime bianual, e a partir dos 50 anos de idade. Este parâmetro do MS se baseia em dois fatores epidemiológicos: (i) a maior frequência de mamas radiologicamente densas, onde a mamografia é menos eficiente na detecção de lesões, e (ii) a frequência de tumores com crescimento rápido é maior, o que reduz a eficiência do rastreamento. As divergências continuam em relação ao momento de parar o rastreamento. As sociedades médicas acima citadas recomendam continuar o rastreamento enquanto a mulher apresentar uma perspectiva de pelo menos sete anos de vida, ao passo que o MS oferece apenas até os 69 anos.

Um assunto polêmico, e que infelizmente é trazido à sociedade através de mídias sensacionalistas e irresponsáveis, é em relação ao risco do desenvolvimento do câncer de mama decorrente da exposição à radiação pela mamografia. Este risco é desprezível em relação ao benefício do rastreamento mamográfico. Um estudo recente, publicado em 2011, estimou que o rastreamento mamográfico evita 1.121 mortes a cada 100 mil mulheres rastreadas (entre 50 a 74 anos), enquanto pode induzir 1 câncer.

Em relação aos outros órgãos, o risco de desenvolver tumores é desprezível. A dose nos demais órgãos durante a mamografia é menor que 2,5% da dose que a mama recebe. Por exemplo, nos pulmões a dose recebida durante uma mamografia completa (4 incidências) é cerca de 1/40 da dose de Rx tórax, e de 1/500 a 1/3000 de uma tomografia de tórax. Quanto à tireóide, a dose é menor que 1% da dose recebida pela mama. Ou seja, o risco de um carcinoma de tireóide induzido pelo rastreamento anual é de 1 caso em 17 milhões de mulheres rastreadas.

O Exame de Mamografia Digital

A Mamografia é um método diagnóstico com baixa dose de radiação e imagens de alta definição utilizado como o exame padrão para detecção precoce do câncer de mama. Esse tipo de exame pode detectar um nódulo, mesmo que este ainda não seja palpável

→ Clique aqui e conheça o exame

Dr. Lucio De Carli
CREMERS 16260 | Médico Radiologista

  • Graduação em Medicina pela Universidade de Caxias do Sul.
  • Especialização em Radiodiagnóstico no Hospital de Clínicas de Porto Alegre/RS.
  • Título de Especialista pelo Colégio Brasileiro de Radiologia.
  • Fellow no Serviço de Ressonância Magnética da Universidade da Pensilvânia (Filadélfia, EUA).
  • Gestor Médico dos Métodos de Mamografia e Densitometria Óssea do Hospital Mãe de Deus (HMD).
  • Preceptor da Residência em Radiologia pelo SIR/HMD.
  • Coordenador do Programa de Especialização em Mamografia e Diagnóstico por Imagem da Mama no HMD.

#Mamografia #CâncerDeMama
#Avaliação #MedicinaDiagnósticaDaMulher
#SaúdeDaMulher #MulheresAtivas #SaúdeBemEstar

Referencias Bibliográficas:

1. Forouzanfar MH, Foreman KJ, Delossantos AM, et al. Breast and cervical cancer in 187 countries between 1980 and 2010: a systematic analysis. Lancet. 2011;378:1461–84;
2. Martins E, Freitas-Junior R, Curado MP, et al. Evolução temporal dos estádios do câncer de mama ao diagnóstico em um registro de base populacional no Brasil Central. Rev Bras Ginecol Obstet. 2009;31:219–23.
3. Freitas-Junior R, Gonzaga CMR, Freitas NMA, et al. Disparities in female breast cancer mortality rates in Brazil between 1980 and 2009. Clinics (Sao Paulo) 2012;67:731–7.
4. Urban LABD, Schaeffer MB, Duarte DL, et al. Recomendações do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, da Sociedade Brasileira de Mastologia e da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia para rastreamento do câncer de mama por métodos de imagem. Radiol Brasil 2012; 45(6):334-339.
5. Hendrick RE, Helvie MA. United States Preventive Sservices Task Force screening mammography recommendations: science ignored. AJR Am J Roentgenol. 2011;196:W112–6.
6. Mattos JSC, Mauad EC, Syrjãnen K, et al. The impact of breast cancer screening among younger women in the Barretos region, Brazil. Anticancer Research 2013; 33:2651-2656.
7. Skaane P. Studies comparing screen-film mammography and full-field digital mammography in breast cancer screening: updated review. Acta Radiol. 2009;50:3–14
8. Skaane P, Bandos AI, Gullien R, et al. Comparison of digital mammography alone and digital mammography plus tomosynthesis in a population-based screening program. Radiology 2013;67(1):47-56;
9. Gelder R, Draisma G, Heijnsdijk EAM, et al. Population-based mammography screening below age 50: balancing radiation-induced vs prevented breast cancer deaths. British J Cancer 2011;104: 1214-1220;
10. Sechopoulos I, Suryanarayanan S, Vedantham S, et al. Radiation Dose to Organs and Tissues from Mammography: Monte Carlo and Phantom Study. Radiologia 2008; 246: 434-443.
11. Bleyer A, Welch G. Effect of three decades of screening mammography on breast-cancer incidence. NEJM 2012; 367:1998-2005.
Dra. Linei Augusta Brolini Delle Urban, coordenadora da Comissão Nacional de Qualidade em Mamografia do CBR

Últimas Novidades